3/12/2019

Fechamento da L'BEL Belcorp no Brasil | 8 passos para recomeçar

Caros leitores,

aqui é Thielle Felix, que desde Junho de 2011, vem representando e fazendo o marketing de rede multinível para a Belcorp.

Inicialmente, eram Ésika, Cyzone e L'bel, depois ficamos no Brasil com Ésika e L'bel.

Infelizmente, no início de Fevereiro a empresa notificou a todos os consultores e líderes que a partir de 1 de Março, não teria mais o sistema de marketing de rede, nem vendas diretas mononivel. Sendo assim, desde então a empresa vende diretamente ao cliente final, através do seu site.

Sendo essa a situação repentina e sabendo que você cliente confia no trabalho dos consultores, estou apresentando o cenário e informando que já fechamos novas parcerias. Agora não mais com foco em única marca.
No final desse post, tem meu link pro Whatsapp, caso se interesse.

A verdade é que não faremos mais, um trabalho de marketing para a criação da marca (Branding marketing), já que sempre estaremos sujeitos a ter todo esse trabalho inutilizado com uma decisão repentina como essa e outras que já vimos bastante.


Entendo o lado das empresas, não há problema, porém, nem por isso precisamos continuar um trabalho no qual, não temos 100% do controle. É hora de retultados diferentes e para isso, atitudes diferentes. Seria muita insanidade, já dizia Albert Einstein. 


Mas Thielle, é possível fazer marketing multinível tendo 100% do controle?
Sim, o fato é que isso serve qualquer tipo de marketing.
E não tem segredo, vou compartilhar com você, aqui.

São 8 passos que tirarão você do grupo de pessoas que entram e saem de empresas de multinível tendo que apagar várias publicações, tendo que justificar toda hora que não vende mais isso ou aquilo e tendo que reconquistar um espaço que achava que era seu, mas precisou entregar.

Passo 1:
Decida! 
Tome finalmente a decisão de promover você, seu nome, seu negócio e não a marca.
Construir uma marca é trabalho muito bem remunerado. Existem profissionais contratatos para isso e recebem altos salários pra essa função. Quando um profissional de marketing multinivel simplesmente duplica material da empresa, já está fazendo esse trabalho de graça. 

No multinível as pessoas só são bonificadas em dinheiro, quando vendem ou quando cadastram novos empreendedores. Criam uma rede, treinam essa rede e conquistam uma boa renda residual. Um bom negócio para quem se dedica, com o benefício de poder trabalhar de casa ou de onde quiser, fazendo seus próprios horários e estabelecendo suas próprias metas, de acordo com objetivos pessoais.

O problema está em trabalhar de forma errada. Fazendo um trabalho não remunerado e que não retorna para você, o de construção da marca (especialmente se a marca ainda não fez esse trabalho, ou seja, não é conhecida).

Ao divulgar o nome da empresa, você leva a audiência que você conquistou com determinado conteúdo, direto para ela. As pessoas tem a tendência de sair daquela tela e ir pesquisar, nisso, você perde o lead. É zero controle.

O que sobra pra você, nem sempre é a melhor parte do bolo.
Sempre disse isso, mas é difícil lutar contra uma cultura estabelecida mesmo mostrando fatos. As pessoas de modo geral, não são treinadas para empreender, apenas para cumprir ordens. Isso é usado a favor das empresas de multinível no Brasil.

Alguns pouquíssimos líderes (no Brasil) que ganham multiplos dígitos, fazem o que estou te contando aqui. Tem celebridades que fazem e você nem sabia que estão no marketing de rede. Esses, são os que enxergaram isso a muito tempo e preferiam pagar o preço de pescar no oceano aberto em vez de jogar a vara no mesmo aquário que todo mundo pra pescar os mesmos peixes cheios de vícios.

Passo 2:
Como?  Divulgue seu conhecimento e atraia audiência
Estude, leia livros, participe de palestras, rodas de conversa e workshops.
Assista vídeos de líderes influenciadores com resultado, tem muita gente que só repete o que o sistema de treinamento imposto da empresa ou de seus líderes, mandam. 
Exponha sua opinião!
O medo vai te levar no máximo, ao mais ou menos.
As pessoas querem saber com quem estão lidando e ninguém gosta de se unir aos medianos.

Passo 3:
Entenda os benefícios dos produtos e fique especialista em falar sobre eles (sem citar a marca).
Muito se ensina (com razão) sobre vender benefícios e não produtos. Seu cliente não quer aprender os comandos do avião, ter meses de treinamento, o que ele quer é voar. O "problema" é que pra voar, ele tem que dedicar meses pra aprender os comandos da aeronave. Você quer vender o "problema" ou a solução que o cliente busca?
Estude o material que a empresa disponibiliza sobre seus produtos. Ignore todo material que destaca mais a marca que os benefícios. Se for o caso, edite, corte, coloque tarja, mas gere curiosidade na sua audiência para que ela procure você e não "qualquer um" que venda a marca ou o produto.

Passo 4:
Crie sua lista de leads
Os leads são pessoas que tiveram um interesse especial pelo seu conteúdo. Não é garantido que serão clientes, mas são um indicador de que você está no caminho certo.
O que vai determinar que se transformarão em clientes, é o relacionamento que ele mantém contigo. Conteúdo bom atrai, mas vender, depende de outros passos.
Você vai precisar de um funil de vendas pronto ou vai precisar fazer esse controle manualmente, talvez usando planilhas de Excel e um excelente planejamento de tempo e disciplina.

Passo 5:
Afunile o relacionamento até que tenha uma lista mais enxuta possível. Com isso você vai saber quem são os curiosos e os reais interessados pelo que você publica.
A algum tempo a venda do "compre agora", ou daquele "é só hoje", não tem funcionado de prima. A venda hoje só acontece depois de no mínimo 2 passos. O primeiro vai ser sempre a "pesquisa de opiniões". Especialmente na Internet, é assim que funciona, queiramos ou não.
Esse também é um processo que requer muito tempo ou também pede um investimento em ferramentas para funil de vendas.
A pergunta é, "você vai nadar contra essa maré de clientes ou vai entender como é essa jornada e vender pra eles?"


Passo 6:
Tenha uma lista vip para clientes
A tecla parece ser a mesma mas não é. Aliás, são assuntos bem diferentes e que precisam de diferente atenção. A lista de clientes, precisa receber um conteúdo além do conteúdo pra leads. Precisa ser uma relação mais personalizada e novamente o funil de vendas, ajuda. Mas se você não tem uma carteira de clientes muito grande, digamos, 30, é possível dedicar pelo menos 10 minutos por dia, 1 dia por mês, pra cada cliente. Saber como está o uso do seu produto, do seu serviço, de forma mais próxima. Outros contatos (digamos, semanais), são para quem comprou recentemente e para os que compraram a mais de 3 meses. Podem ser contatos menos específicos, como datas comemorativas, aniversário, assuntos relacionados aos benefícios do seu produto, seu mercado, etc.


Passo 7:
Estabeleça uma conversa constante e desinteressada com seus clientes. A ideia é ser útil e estar presente na lembrança, quando ele precisar de você em vez de lembrar dele só quando você quer vender.
No passo 6, disse que precisa uma conversa constante com seus clientes. Falava mais de um feedback com quem comprou ultimamente um produto. Mas existem os que já compraram a mais de 3 meses, para esses, ainda é preciso manter uma relação, só que para se mostrar sempre a disposição.
Esse passo é importante para quem não quer perder seus clientes de vista. Se ele comprou um produto de você, existe uma boa chance de comprar de novo, já te conhece. 
É mais inteligente manter seus clientes com atenção que investir dinheiro constantemente em busca de novos.

Passo 8:
Administre seu tempo. Tem gente que vai te achar bonzinho e te usar, tem gente que não sabe o valor do que você oferece, vai achar que é "segunda intenção". Nenhum dos 2 tipos de pessoas valem a pena, procure perfis mais adequados e será muito mais feliz 😊.
Em todo mercado é assim. Cabeleireiros que cuidam da família toda e passam as festas de fim de ano com um look meia boca. Tem os advogados que sempre ouvem a famosa "só uma dúvida", profissionais como eu de marketing, sempre recebem uma pergunta inbox (as pessoas querem que você dê algo de graça. Sem dar nada em troca, nem mesmo um "curtir", "comentar", um depoimento, absolutamente nada que ajude). Acostume-se!

A má notícia é que sempre vai existir pessoas assim, tanto quanto sempre vai existir as que acham que dar informação sem interesse em se dar bem, não existe.

Óbvio que queremos vender, mas gerar conteúdo  da muito trabalho sim, então é preciso dar duro para conseguir crescer oferecendo conteúdo gratuito.

Audiência orgânica da trabalho, mas além de ter vida útil muito maior que a audiência paga, é gratificante e não tem nada a ver com se dar bem.

Tudo que você tem que fazer sobre esse perfil de pessoa, é abstrair e seguir em seu trabalho, se mantendo firme em seu protagonismo empreendedor.

Enquanto isso na sala de justiça a boa notícia é para poucos que nela estão é... Lá vai:


  • Muita gente valoriza quem é bom no que faz e sabe quanto isso custaria.
  • Muita gente enxerga o que é valor real (nada a ver com preço).
  • Muita gente quer estar perto e fazer negócios com pessoas que sabem o que estão dizendo por vivência ou muito estudo. Mostra o que você sabe!

Para quem você vai dar importância, para a má ou para a boa notícia?

Espero que com isso eu tenha ajudado 
e fico a disposição caso queira conversar mais sobre.

Grande abraço e bons negócios!

Thielle Felix






Mensagem direta pelo Whatasapp
pelo link abaixo!
http://bit.ly/LBELfinalizaMMNnoBrasil